quarta-feira, 20 de setembro de 2017

balões e fogos






balões e fogos

Quando eu era criança, subia no pico para admirar a rua lá de cima, como um leão na selva mirando sua presa, no meu caso a selva de pedra. Olhava os balões que a gente do bairro soltava lá de cima e percorria toda cidade, onde ia cair a gente não se importava, queria ver é subir e tomar o céu de assalto. A gente ficava lá por horas admirando aquele clarão no céu. O tempo foi passando e a vida leva a gente pra outros lado,né não? Mas ainda depois de véio a gente sempre acabava indo pra lá, e era muito louco de ver os menor lá, e vire mexe os menino tava soltando rojão e balão, agora é proibido né? - Diversão de pobre uma hora ou outra é proibida., Mas os muleque era ousado não tava nem vendo, metia o bichão pra cima as vezes corria dos policia, mas não pegava nada.
A gente já tinha preparado tudo, era entrar na casa do bacana e render os muleque – os grã fino não gosta que mexe nos muleque, deve ser coisa tipo meio animal, né?. Por isso a gente nem precisava atirar era só render os muleque botar um panico levar a grana da casa e as coisas – não sei porque os patrão liga pra essas coisas, eles compram outro, os caras é viciado em trabalho mesmo. O movimento estava sinistro quando a gente foi meter o pé já tinha um monte de policia para tudo quanto é ladoa a gente tava armado trocamos com os caras, mas eles é treinado atira todo dia – os caras já vem treinado pra por em prática a pontaria. Não deu pro cheiro – vida de crime é foda a gente morre tentando viver, pagar as contas ou na fila do SUS. Parece que uns manos conseguiram fugir , mas as rajada continuam,Agora eu to aqui caido no chão olhando pro alto, os rojão e os balões que voam são outros.

03/09/17 Matérida da folha de São Paulo. Ação policial pra frustrar roubo no Morumbi termina com 10 mortos – Cidadão disse que a troca de tiros parecias fogos e balões e durou 20 minutos."

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

vazio



acordei e senti saudades
lembrei das risadas
da casa mais verde
café com gosto de garapa

o almoço de domingo
e o sentimento
de sempre bem vindo

o bolo do santinho
não está mais lá
seu lugar no sofá
ainda está,
vazio.

bota engraxada
risada engraçada
nem tudo é risada
"águar" as plantas
 bondade tamanha

seu vazio
 cheio
de tudo
 saudade
que não acaba
 poesia
inacabada
relojo que não para.

voltei a sua morada
portão aberto :
- misericórdia!
que milagre,
hoje chove.

Perdeu!




Perdeu! Perdeu! Perdeu!
Os direitos trabalhistas, perdeu!
a aposentadoria tardia, perdeu!
o sistema de saúde pública, perdeu!

agora aguenta o tranco
nossa vida igual barranco
descendo ladeira abaixo
abaixo a repressão!
na manifestação do professor
que se rebelou contra o estado

Abaixo a repressão !
do movimento social
organizado
que queima carro e banco
pra não queimar o Senado.

Perdeu! Perdeu! Perdeu!
o que com suor foi conquistado
com sangue, choro e luta
pelo seu antepassado organizado.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

enquanto durar


achei
a porta que esqueci de fechar
a rua que não cruzei
encontrei
a parte da vida que me faltava
escolhi e fui escolhido
com quem quero ficar
para um sempre
enquanto durar

segunda-feira, 19 de junho de 2017

a realidade





a realidade transformou as poesias que um dia escrevi em algo muito mais distante.
E a cada passo que dou o mundo sai do lugar e o espaço é preenchido com inverdades em dose cavalar.
Nao! Nao a culpa nao é sua, nem minha por ser chato demais, os donos da grana querem que voce seja assim
Porque tudo, tudo que voce faz enriquece eles mais e mais.
Note voce mesmo a gente na historia sempre esteve um passo atras.
A realidade sequestrou meus versos, evaporou minha inspiracao, atropelou meus sonhos, concretizou meu coração.

A realidade me tirou tudo. menos minha indignação.

Èsù





Èsù
antes de Marx
me contou:
Vida é
Movimento
em movimento
e desde lá,
quando falha a razão
quando falta a fibra
quando gasta a sola
quando risca o disco
Èsù

movimenta.
 Poesia de Amanda Palha

as ruas de São Paulo






Já reparou
que nas ruas de São Paulo
não tem nome dos nossos pendurado
só tem nome de capitão do mato
que matou índio e preto degolado.
já reparou 
que nas ruas de São Paulo
quem a ergueu foi esquecido
nordestino, preto e imigrante
só foi pra museu e estantes 
ficou o herói da pátria
voluntários ou não.

já reparou
nas ruas de São Paulo.

sexta-feira, 3 de março de 2017

caminhando por Guarulhos












Sabe,sonhei que estava num tipo de inferno onde todo mundo estava vivo, mas preocupado com uma tela azul e uma bola vermelha no canto em um aparelho portátil. Enquanto o verde era atropelado por uma fumaça cinza

lua I




















Seria a lua,
travestida do sorriso seu
ou seu sorriso ,
travestido da lua de hoje?

fim do mundo






                                               ( Bansky)

o mundo já acabou 
só você que não viu
por que não mostrou na tV
Nem no BBB.
O Brasil tá sendo rifado
na Suíça ou nos EUA
mas a gente sabe 
quem é que pagar 
essas e outras contas.
O mundo já acabou 
só você que não viu
quando bateram em estudantes
quando bateram em professor
quando mataram o preto sem motivo
o mundo já acabou 
só você que não viu
porque estava no facebook
e não marchando na rua
Bebendo no bar conversando
falando mal de quem luta.

o mundo acabou
só você que não viu.

cotidiano I






Não fique triste amor meu
a vida é assim mesmo
um dia alegria
e outro
a gente cria
em turbilhão de ódio
ou ondas de alegria

não fique triste amor meu
o carnaval já passou
mas a festa continua
sem pierrot, sem colombina
nossa festa é todo dia
basta sua companhia.

O mundo é duro
veste farda, uniforme
e bate cartão
a gente faz de conta
canta samba
e ama sem preocupação

Não fique triste amor meu

A vida é assim
um dia a gente chora
outrora a gente ri.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Dia de natal








No dia no natal ia escrever uma poesia
mas a GCM invadiu a ocupação
ai perdi a inspiração
No outro dia comecei escrever um conto
mas um trabalhador foi morto
defendendo transexuais
e o conto parou.

Cada dia uma desgraça
toda hora repressão
a esquerda dividida
entre a coerência e coração

Eu continuo lutando e organizando
sonhando e chorando
por um mundo sem exploração

pelo fim da repressão
(25/12/16)







A conspiração



No último dia antes do fim do mundo a fiscalização geral de refugiados disse que cada pessoa só podia levar uma coisa para o abrigo e que caso funcionasse essas coisas deveriam ajudar a construir o mundo novo. O homem indeciso olhou sua casa, sentou no sofá observando tudo que havia na sala, chorou ao ver a comida do cachorro envelhecida, olhou o retrato da mulher que já tinha se despedido anos atrás para viver com outra pessoa em outro local. Viu sua estante cheia de poeira e livros – estes que fizeram parte de toda sua vida, por um instante um filme passou em sua mente e chorou. Agarrou um livro velho e surrado e aos prantos que não pararam de cair sob seus cabelos longos que atrapalhavam o escorregar das lágrimas. Parecia que a vida que ele tanto amava já havia findado antes do fim do mundo. Olhava ao redor da casa percebeu os retratos, regalos decorativos de amigos e um quadro mostrando uma possível glória com bandeiras vermelhas e pretas erguidas. Perplexo olhou o quadro, lembrou aquela história, sorriu sozinho diante de uma sala antiga e prestes a deixar para trás, quebrou o vidro que separava a foto e a rasgou. Foi à estante e pegou um livro cheio de letras douradas e com algumas orelhas parecia que havia lido a pouco tempo. Em letras garrafais lia-se: Bíblia sagrada Novo Testamento.

 O homem depois do choro e lamento lembrou que aquela coisa era a única que ele não poderia deixar para trás e ajudaria a construir a vida nova aonde talvez eles fossem se restabelecer. Abriu o livro: “Salmos 9:10 Os que conhecem o teu nome confiam em ti, pois tu, Senhor, jamais abandonas os que te buscam.”. E uma paixão cheia de confiança o tomou, aquele salmo só poderia ser uma mensagem do todo poderoso ao homem. Tudo aquilo passou a fazer mais sentido a ele, tudo seria uma aprovação que tinha que passar, todos os cultos, todas as dores, todas as dificuldades tudo não passou de um plano do senhor. Separou o livro e o colocou na bolsa, beijou a foto de sua ex mulher e  ainda antes de sair foi a cozinha admirou aquela comunhão que estava retratada  no quadro da santa ceia, fez o sinal da cruz e saiu.

Na porta do abrigo os fiscais verificavam o que as pessoas haviam trazido de coisas para levar e ajudar a construir o novo. O que os fiscais entendiam que  não ajudaria era descartado e a pessoa era obrigada a voltar e esperar a nova fiscalização, perigando não conseguir sair antes do fim do mundo. Só se ouvia os lamentos e tiros disparados para o alto devido as pessoas querendo invadir o local. Quando chegou a sua vez o homem olhou diretamente nos olhos do fiscal e tirou na bolsa aquilo que trouxe, sem pestanejar o fiscal o deixou passar.

Chegando sentiu o novo, o cheiro das flores inundava o ar,viu as pessoas felizes por estarem vivas e se reconhecerem como uma parte da outra e necessária para a nova empreitada. Enfim o mundo novo seria reconstruído, não era de fato o fim, mas o começo de outro ciclo. Não havia melindres entre as pessoas. O homem sem esquecer o que havia trazido para a construção do novo mundo o tirou da bolsa, olhou para baixo onde havia uma cova rasa de uma pessoa que não agüentou a viagem, olhou para pessoa, viu nos seus olhos abertos um caminho que teria que trilhar, se abaixou e colocou o livro dentro do bolso interno no defunto, tirando uma folha rascada de dentro. Pediu ao fiscal para tapar o buraco. E voltou admirar o mundo novo que esperará, olhando a foto da glória com bandeiras vermelhas e pretas erguidas.


                                                      A conspiração – 19/12/16.